Produtos encontrados: 8 Resultado da Pesquisa por: em 6 ms

Itens por página:

Produtos selecionados para comparar: 0Comparar

Produtos encontrados: 8 Resultado da Pesquisa por: em 6 ms

Itens por página:

Produtos selecionados para comparar: 0Comparar

Depressão

A depressão é considerada um problema médico grave e altamente prevalente na população em geral. De acordo com estudos epidemiológicos, a prevalência da doença ao longo da vida no Brasil é de aproximadamente 15,5%. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a rede de atenção primária diagnostica e atende aproximadamente 10,4% de casos de depressão isolada ou associada a algum transtorno físico.

O que causa a depressão:

Muitas pessoas não sabem como lidar com a depressão e nem ao menos como foram desenvolver a doença ao longo da vida. Porém existem alguns fatores que podem contribuir para que a ansiedade e depressão tenham um estágio mais avançado.

1) Genética:

Estudo realizados com familiares, gêmeos e adotados indicam que existe um componente genético que pode afetar e tornar o indivíduo suscetível a depressão. Estima-se que esse componente represente 40% da suscetibilidade quando há pre-disponibilidade genética.

2) Bioquímica cerebral:

Há evidências de deficiência de substâncias cerebrais, chamadas neurotransmissores. São eles noradrenalinas, serotonina e dopamina e estão diretamente envolvidos na regulação da atividade motora, do apetite, do sono e do humor.

3) Eventos vitais:

Eventos altamente estressantes podem desencadear um processo depressivo em pessoas que já tem predisposição genética a desenvolver a doença.

Quais são os fatores de risco:

Existem alguns sinais de depressão que podem desencadear a doença, sendo alguns deles:
  • Histórico familiar;
  • Transtornos psiquiátricos correlatos;
  • Estresse crônico;
  • Ansiedade crônica;
  • Disfunções hormonais;
  • Dependência de álcool ou drogas ilícitas;
  • Traumas psicológicos;
  • Doenças cardiovasculares, endocrinológicas, neurológicas, etc.;
  • Conflitos conjugais;
  • Mudanças bruscas de condições financeiras e desemprego.

Sintomas da depressão:

1) Humor depressivo:

Normalmente este sintoma é caracterizado por uma sensação de tristeza, autodesvalorização e sentimento de culpa. As pessoas acreditam que perderam, de forma irreversível, a capacidade de sentir prazer ou alegria. Tudo parece vazio e o mundo é visto sem cores, sem matizes de alegria. Costumam fazer uma avaliação negativa de si mesmos e percebem as dificuldades como intransponíveis.

2) Falta de concentração:

Normalmente as pessoas com depressão apresentam retardo motor, falta de energia, preguiça ou cansaço excessivo, lentificação do pensamento, falta de concentração, queixas de memória, de vontade e de iniciativa.

3) Insônia ou sonolência:

A insônia geralmente é intermediária ou terminal e a sonolência acontece em casos em que a depressão é chamada de atípica.

4) Apetite:

O apetite costuma diminuir, podendo acontecer em algumas formas de depressão o aumento do mesmo, principalmente com maior interesse por carboidratos e doces.

5) Redução do interesse sexual:

A depressão costuma diminuir o interesse da pessoa por sexo, fazendo com que ela perca a vontade de se relacionar com seu parceiro.

6) Dores:

É muito comum a presença de sintomas físicos difusos como mal estar, cansaço, queixas digestivas, dor no peito, taquicardia e sudorese.

Tratamento para Depressão:

A depressão é uma doença mental de elevada prevalência e é uma das que mais está associada ao suicídio. Ela tende a ser crônica e recorrente, principalmente quando não tratada. Não há como tratar a depressão sem antes passar por um médico que irá realizar todas as avaliações e exames necessários para identificar as causas e o nível dos sintomas.